Ser penedo é ser por fora o que se é por dentro (Teixeira de Pascoaes)
... é como ser transparente.

1 de janeiro de 2007

Hasta la muerte, escultura

Hasta la muerte

Perde muito quem não vê a outra face das coisas
Provérbio chinês


A sabedoria morrerá às mãos de si mesma ou da sua falta… sobretudo, da sua falta. É o entendimento – como consciência do Ser e do seu acanhamento - que nos diz isto. Só que o entendimento é poético, é sumamente individual, logo condenado a não se expandir por si, a restringir-se ao sujeito.
Da floração à morte e seu retorno, um ciclo condicionado pelo mineral que também somos e, infindo, cremos nós, na nossa exígua participação no cosmos.
Nas seis caixas-flores (não é o sete a perfeição?, então a lição é clara!), o passante rodando verá morrer e renascer, definhantes e pletóricas, sem axiologias, linear na sua redutora e contundente afirmação da maior verdade que conhecemos e entendemos, a vida… a morte.

2

Circunda-se, e as mutações sucedem-se entre confluências e dissensões, numa espécie de dança em que repulsas e atracções se alternam mas mutuamente se sustentam. Não há volubilidade, porque o enlace é sólido, inalterável.
Em ferro e mármore é este canto: dos materiais herdou a força, a solidez, a alvura e a ferrugem; a graça veio-lhe do fogo e do buril; da singeleza do risco advém-lhe a elegância; por fim, o sentimento procede da ternura do amanho, da conjugação da imprevisibilidade da intenção com a certeza do acaso.

Nenhum comentário: